terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Fela Ransome-Kuti and the Africa '70 with Ginger Baker - LIVE!


Meus agradecimentos ao Vicente, que um dia me apresentou esse som.

FLAC(lossless):
Download MediaFire Parte I
Download MediaFire Parte II
Download MediaFire Parte III
links inativos

Mp3 - 320 kbps
Download 4shared 

Setlist:
1. Let's Start
2. Black Man's Cry
3. Ye Ye De Smell
4. Egbe Mi O (Carry Me I Want To Die)
5. Ginger Baker And Tony Allen Drum Solo

Fela Kuti: Vocals, Keyboards, Saxophone
Ginger Baker: Drums, Percussion
Tunde Williams: Trumpet
Eddie Faychum: Trumpet
Igo Chiko: Tenor Sax
Lekan Animashaun: Baritone Sax
Peter Animashaun: Rhythm Guitar
Maurice Ekpo: Bass Guitar
Tony Allen: Drums
Henry Koffi: 1st Conga
Friday Jumbo: 2nd Conga
Akwesi Korranting: 3rd Conga
Tony Abayomi: Sticks
Isaac Olaleye: Shekere

Primeiramente nos do eLefante esperamos que tenham tido um ótimo natal e desejamos a todos um ano novo maravilhoso!
Agora, um som que eu recomendo que todos baixem é esse do Fela Kuti com o baterista e percussionista Ginger Baker(Cream, Blind Faith, Ginger Baker's Air Force, Baker Gurvitz Army). E mais um encontro inter-étnico. É fino! Sinceramente eu esperava mais do seu filho, Femi Kuti, que esteve no Brasil recentemente(vide post anterior). Não gostei muito do show em Santo André, apesar de ter gostado muito do disco de 95, mas o Fela não decepcionará ninguém! Além do mais, não é qualquer som que eu coloco aqui disponível em FLAC, só os melhores para valer a pena mesmo, já que os arquivos são mais extensos no tamanho.

Espero também que todos tenham gostado dos posts desse ano, nos vemos em 2011! Um grande abraço.
Maurício

domingo, 19 de dezembro de 2010

Femi Kuti - Femi Kuti (1995) & Batuque - Conexão África-Brasil



Setlist
01. Wonder Wonder (6:04) 
02. Survival (8:55) 
03. Frustrations (9:06) 
04. Nawa (Intro) (0:30) 
05. Nawa (8:39) 
06. Plenty Nonsense (9:31) 
07. Stubborn Problems (9:32) 
08. No Shame (6:28) 
09. Live for Today (8:56) 
10. Changes (5:59)

Áudio: Mp3 - 320kbps

Santo André em transe! O festival organizado pelo SESC traz a mistura do que já 
é misturado, África e Brasil. No meio de tudo está o Femi Kuti e uma pá de músicos, confira as informações na matéria da Rolling Stone:

Batuque - Conexão África-Brasil

Vamos ver o que vai ser, estaremos lá amanhã no segundo dia do festival, as expectativas são altas e os ingressos baratos. Para homenagear a vinda do príncipe do afro-beat trago o seu terceiro disco, de 1995. Femi Kuti é o filho mais velho de Fela Kuti. Ambos instrumentistas que promovem o fusion entre o jazz e os ritmos e estilos africanos. Pelo pouco que ouvi até agora Femi parece um pouco mais pop. Mas também ambos são engajados em políticas sociais e tudo o mais. 
Pelo pouco que ouvi até agora, destaques para todas, mas gostei especialmente de "Wonder Wonder", "Survival", "Frustation", "Nawa", "Stubborn Problems" e "Plenty Nonsense"

Meu próximo post será do rei Fela Kuti com o nosso mago da batéria Ginger Baker(vide post anteriores).

Abraços

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Blind Faith - Blind Faith (1969)


"Oh, is it just a thorn between my eyes?
Waiting in our boats to set sail
Sea of joy,

Sea of joy, Sea of joy,
Sailing free, Sea of joy"



Setlist:

Disco Um:
01. Had to Cry Today (8:48)
02. Can't Find My Way Home (3:16)
03. Well All Right (4:27)
04. Presence of the Lord (4:50)
05. Sea of Joy (5:22)
06. Do What You Like (15:18)
07. Sleeping in the Ground (P. Unreleased Mix) (2:49)
08. Can't Find My Way Home (Electric Version) (P. Unreleased Mix) (5:40)
09. Acoustic Jam (P. Unreleased) (15:50)
10. Time Winds (P. Unreleased) (3:15)
11. Sleeping in the Ground (Slow Blues Version) (P. Unreleased) (4:44)

Disco Dois:
01. Jam No.1: Very Long & Good Jam (P. Unreleased) (14:01)
02. Jam No.2: Slow Jam #1 (P. Unreleased) (15:06)
03. Jam No.3: Change of Address Jam (P. Unreleased) (12:06)
04. Jam No.4: Slow Jam #2 (P. Unreleased) (16:06)

Dessa vez duas opções de arquivos:

FLAC (lossless)
Download MediaFire Parte 1 (flac)
Download MediaFire Parte 2 (flac)
Download MediaFire Parte 3 (flac)
Download MediaFire Parte 4 (flac)
Download MediaFire Parte 5 (flac)

Download 4shared Parte 1 (flac)
Download 4shared Parte 2 (flac)
Download 4shared Parte 3 (flac)
Download 4shared Parte 4 (flac)
Download 4shared Parte 5 (flac)

Mp3 - 320kbps
Download MediaFire Parte 1 (mp3)
Download MediaFire Parte 2 (mp3)

Download 4shared Parte 1 (mp3)
Download 4shared Parte 2 (mp3)

Essa é a polêmica capa do único(em todos os sentidos) e homônimo álbum do Blind Faith. Fazer o que? O disco é muito bom, é o que importa...! Muito bom álias é pouco, como eu disse antes, é magnífico! O grandioso destaque não poderia deixar de ir para "Sea of Joy"! Começa com um riff meio rock 'n' roll mas logo outros arranjos mais leves se mostram junto com a voz de Winwood.
Essa música coloca o ouvinte diante do inconsciente, faz um convite a cada um de nós a se aventurar pelo mar e correr o risco de se perder dentro dele, de se perder dentro da nossa própria totalidade. Mas é um convite tão suave que sem perceber você estará entregue. De qualquer jeito a sensação é boa(pelo menos pra mim), ainda mais quando Ric Grech entra com o violino, aí você se perde de vez e não liga de não voltar nunca mais. Você dirá "and I can't find my way home."
"Do What You Like" traz o super solo de Ginger Baker, também com um riff muito bom e muita psicodélia na guitarra e no teclado. Eles usam um efeito nos vocais que da um toque quase eletrônico. Vale citar que, em  algumas versões de "Moby Dick" do Led Zeppelin, Plant faz uma rápida referência a essa música. Escute até o final, quebre tudo e sinta o deleite da volta do riff. Qualquer semelhança com "Moby Dick" não é mera coincidência.
Todas as faixas são muito boas e o blues rola solto em sua melhor qualidade, só para encerrar, no disco dois estão as jams(fenomenais), a primeira, "Very Long & Good Jam", não tem esse nome por acaso. "Change of Adress" também merece atenção daqueles que gostam de ritmos mais acelerados, pra quem gosta de algo mais calmo, as slow jams! Afinal, eu diria que Hendrix recebeu uma resposta a altura!

Foto: Da esq. para dir.: Eric Clapton, Steve Winwood, Ginger Baker e Rick Grech

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Blind Faith - Hyde Park, London 1969



Hyde Park, London 1969 Setlist:
01. Well All Right
02. Sea of Joy
03. Sleeping In The Ground
04. Under My Thumb
05. Can't Find My Way Home
06. Do What You Like
07. Presence of The Lord
08. Means To An End
09. Had To Cry Today

Áudio: Mp3 - 320kbps
Download MediaFire
Download 4shared

"Well All Right" nos surpreende logo quando uma virada no contra-baixo traz um riff cheio de swing na guitarra de Clapton. "Sea of Joy" é, na minha opinião, a mais bela das conções da banda e também uma das mais belas canções desse mundo(sem exagero), contudo vale mais a versão de estúdio pelo violino que não está presente nesse show(aguardem o post de amanhã). "Sleeping in the Ground", um belo blues e "Under My Thumb", um excelente cover dos Stones. "Can't Find My Way Home" é um dos ápices do show(veja o vídeo, no final a câmera foca nós pés de Baker e fica nítido como ele quebra o tempo com os bumbos):


De cada dez malucos hoje que conhecem o Cream a maioria não ouviu falar sobre o Blind Faith. E diga-se de passagem que o Cream também deveria ser mais conhecido por essa nossa geração.
Clapton, com o Cream, passou alguns anos com o revolucionário do baixo Jack Bruce e o mago da bateria Ginger Baker. O Cream se desfez e surgiu o Blind Faith. Durou apenas um ano, ainda com Ginger Baker e agora com o tecladista e vocalista Steve Winwood. A figura imponente e excêntrica de Jack Bruce fora substituída pelo baixista Ric Grech. E ainda depois que o Blind Faith, por sua vez, se desfez Clapton formou o grupo Derek and the Domino's o que também resultou em apenas um disco com contribuições de Duane Allman.
De qualquer modo esses anos representam o auge, não só de Clapton, mas de todos esses heróis citados acima. E esses três grupos(Cream, Blind Faith e Derek and the Dominos) fizeram coisas únicas.
Sabemos que o Cream era uma febre, Jimmy Page mais tarde diria que o Led Zeppelin agregou muitos fãs  que estavam orfãos devido ao fim da banda.  Uma junção excepcional e peculiar entre o Rock e o Blues. Ginger Baker é um pouco mais leve que Bonham e não tão leve quanto o Moon. As levadas hiperativas de Jack Bruce ganharam mais hamonia nas mãos de John Paul Jones(Led Zeppelin) e mais técnica e ritmo nas mãos de John Entwistle(The Who). Se você leu tudo até aqui e ainda não conhece o Cream pode ir no post deles e baixar o "Those Were the Days" que tem dois discos de estúdio e dois ao vivo, a parte ao vivo é muito boa e frita.
Clapton anunciaria mais tarde que considerava-se o músico mais fraco do Cream.... mas por que acabou precocemente? A culpa é de um neguinho chamado Hendrix? Não exatamente. Ele simplesmente chegou no stage do Cream e pediu para fazer uma jam com eles. Os rock-stars de Londres pararam para ver, segundo a lenda, lá estavam Waters, Gilmour, Townshend, Keith Richards e outros.
A saber, uma das músicas tocadas por Jimi com o Cream foi "Killing Floor", quanto você pagaria para ter estado lá? Esse vídeo é um trecho de um documentário(Birth of Rock) e fala a respeito do que foi essa jam com falas de Bruce e Baker:


Hendrix quebrou tudo! Deixou Clapton atravessado, na falta de palavra melhor. Esse baque somado a uma já sensação de estagnação no Cream, que não criava mais músicas novas mas fritava no palco cada vez mais as consagradas antigas, fez com que Clapton repensasse toda sua atitude. Então ele propôs mudar o estilo, mas Bruce negou-se, então surgiu o Blind Faith.
Bom, isso são apenas fragmentos de um contexto histórico e nunca saberemos todos os fatos por trás de tudo.


O Blind Faith que vos apresento agora é algo magnífico! Steve Winwood com sua voz celestial e sua contribuição psicodélica no teclado, Ginger Baker mais preciso do que nunca e Clapton dando aos arranjos o requinte que só ele poderia dar. Diferentemente do Cream, as músicas do Blind Faith dão espaço para todos os instrumentos em vez de ficar todo mundo improvisando e fritando. Não se trata de uma crítica, é simplesmente diferente.


Fica pra amanhã o post com o disco de estúdio(em FLAC) da banda com as jams e tudo mais! Até amanhã então!

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

medeski, martin and wood - shackman


boa noite caros apreciadores da boa música! passei muito tempo fora do ar, mas vou compensar a ausência entregando um presente difícil de conseguir por ai. a DISCOGRAFIA COMPLETA do trio americano de jazzzz , se é que tem como enquadra-los em alguma categoria. medeski, martin and wood.
sobre a história da banda, basta saber que o trio é composto por john medeski nos teclados e piano, chris wood no baixo e billy martin na bateria, que iniciou atividades no começo da década de 90 após o professor de bateria de martin os ter apresentado, e que a partir dai não parou mais.
tocaram de tudo de todos jeitos, um jazz funk grooveado com influencias de rock experimentalismo musica clássica blues ritmos africanos e brasileiros. enfim, um caldeirão borbulhante de boas idéias.
minha pretensão e postar todos os álbuns até o final do ano, então para começar escolhi um dos mais fáceis de ser digerido. shackman de 1996. esse cd tem uma sonoridade colorida. o orgão hammond de medeski explora varias texturas e se expressa de forma muito articulada, ele cospe frases com as teclas. wood segura as viagens de medeski e mostra um entrosamento refinado com martin, que quebra, variando e variando e repetindo e resignificando cada linha da bateria.
enfim cd recomendadissimo para quem quer quebrar alguns paradigmas musicais, assim como pra quem curte um bom som ambiente, assim como pra quem curte dançar, assim como pra quem nunca ouviu jazz ou qualquer outro tipo de musica, assim como pra.......
como disse um amigo após a primeira audição:

esse é o arquetipo da boa música!!

Download 4shared
Download MediaFire


domingo, 21 de novembro de 2010

The Raconteurs - Live at Hove Festival; Tromoya, Arendal Norway 2008

"Any pour souls who trespass against us
Whether it be beast or man
Will suffer the bite or be stung dead on sight
By those who inhabit this land

For there's is the power and this is the kingdom
As sure as the sun does burn
So enter this path, but heed these four words,
You shall never return..."


Setlist:
01. Consoler Of The Lonely
02. Intimate Secretary
03. Hold Up
04. You Don’t Understand Me
05. Top Yourself
06. Old Enough
07. Keep It Clean
08. Level
09. Rich Kid Blues
10. The Switch And The Spur
11. Steady, As She Goes
12. Blue Veins
13. Encore Break
14. Hands
15. Salute Your Solution
Extra Take:
00. Rich Kid Blues (Live at Benicassim)

Áudio: Mp3 Soundboard - 256kbps

Os festivais estão em alta e inclusive agora no Brasil. Uma síntese instituída dos que marcaram os anos 70, esses festivais sofisticados e caros já movimentam uma boa grana no mundo. The Raconteurs atendeu a diversos deles entre 2005 e 2008 principalmente. Quem sabe eles não aparecem aqui no próximo SWU ou no Rock in Rio que acontecerá em setembro do ano de 2011.
Do que circula na internet dos shows do Raconteurs na Europa e EUA eu pude ouvir quase todos, escolhi um dos melhores para postar hoje, o Hove Festivalen.
O grande motivo da escolha desse show foi "Blue Veins". A execução dessa música vem sendo aprimorada  pela banda a medida que se torna um improviso treinado. As versões ao vivo tem em torno de dez minutos, enquanto a versão de estúdio do disco Broken Boy Soldiers tem menos de quatro minutos.
Se na versão de estúdio os sentimentos da música são passados pelos versos e pela beleza dos tons de voz, na versão de palco são pelo solo de Jack White junto da sincronia com o resto da banda. Confira a fritação:



Ficam ainda dois discos de estúdio da banda em lossless audio(extensão FLAC) que, diferente do Mp3, não traz perdas de qualidade com taxa ilimitada de bits por segundo. Os arquivos FLAC podems ser executados em vários players após instalação de codec(http://flac.sourceforge.net/) e gravados em formato WAV ou direto em "disco de áudio" pelo Nero. Para executar FLAC no WMPlayer do Windows 7 você vai precisar baixar e instalar o DirectShow: http://xiph.org/dshow/

Broken Boy Soldiers (2006)


Setlist:
01. Steady, As She Goes
02. Hands
03. Broken Boy Soldier
04. Intimate Secretary
05. Together
06. Level
07. Store Bought Bones
08. Yellow Sun
09. Call It a Day
10. Blue Veins

O disco conta com o primeiro single "Steady as She Goes" escrito por Jack White e Brendan Benson. As psicodélicas "Intimate Secretary" e "Level", a frenética "Store Brought Bones", a atravessante "Blue Veins" e outras muito boas. A música "Broken Boy Soldier", uma das melhores sem dúvida, fala de soldados que nunca vão crescer por que a guerra tomou-lhes a infância e os deixou brinquedos quebrados.

Áudio: Studio Record - FLAC

"Broken Boy Soldier" ao vivo do Glastonbury Festival:


Consolers of the Lonely (2008)


Setlist: 
01. Consoler Of The Lonely
02. Salute Your Solution
03. You Don’t Understand Me
04. Old Enough
05. The Switch And The Spur
06. Hold Up
07. Top Yourself
08. Many Shades Of Black
09. Five On The Five
10. Attention
11. Pull This Blanket Off
12. Rich Kid Blues
13. These Stones Will Shout
14. Carolina Drama

Áudio: Studio Record - FLAC

Agora o segundo disco, Consolers of the Lonely é bem diversificado e ao mesmo tempo tem umas faixas marcadamente comerciais, como "Salute Your Solution", "Five on the Five", "Hold Up" e a própria que dá nome ao álbum, Consoler of the Lonely. 
"You Don't Understand Me" faz com suas palavras a pergunta quanto ao que estaríamos fazendo aqui se não fosse possível conhecermos uns aos outros:

"(...) And there's always another point of view,
A better way to do the things we do
And how can you know me and I know you?
If nothing is true?

What do you think that you are doing?


Podemos as vezes não conhecer(to know) o outro nem as coisas, mudando de percepção para projeção. Vivenciando no mundo apenas aquilo que somos capazes através de referenciais incertos típicos das angústias da modernidade que não nos dão segurança alguma. O tempo todo algo traz a dúvida: Este sou eu? Ela é ela? Aquilo é aquilo?

Se essa dúvida nos invade devemos nos perguntar por que? Uma hipótese talvez esteja justamente na limitação do controle e da consciência humana, com qual ainda não aprendemos a lidar. Nossa natureza e realidade ficam inexplicadas e incompreendidas quando tentamos apreendê-las através da consciência apenas e buscando por controle. A totalidade tem aspectos sombrios e estamos aqui("What do you think that you are doing?") para descobri-los uns com os outros.

Depois desse papo filosófico vem a música "Old Enough", até então a única da banda em que podem ser percebidos traços do folk com Dean Fertita no violino. "The Switch and The Spur" fala de morte com seu ar macabro. "Many Shades of Black" tem um solinho bem legal. "Pull This Blanket Off" é bem triste e também muito boa, lembra muito algumas dos Rolling Stones. "These Stones Will Shout" é a mistura de uma música pop com algo a mais nos seus arranjos. E "Carolina Drama" é quase um hip-hop com uma longa narrativa um tanto trágica. 
"Rich Kid Blues" é um cover de Terry Reid. Confira as duas versões:




Nessa versão de "Hands" do Leeds Festival eles fazem o riff de "Astronomy Domine" do Pink Floyd:


"Yellow Sun"ao vivo no Lollapalooza Festival:


"Top Yourself" no New American Music Union Festival (Pittsburgh, PA - 08/09/08) 


"(...) Then I looked over
Just in time to see her smiling back at me
And saying everything's OK
As long as you're inside my blue veins
Your blue veins

Yeah, and the feeling that you gave me
No matter what I do or where I go it always will remain
And those who would enslave me
To get to me must get past you and will have no luck
'Cause you'll protect me from all pain

(That's true, you know why) You're the most beautiful
Yeah, the most beautiful thing
'Cause anything else can't compare
Must be the blood that's running through your blue veins
Your blue veins

Your blue veins

And I know you won't deceive me like the rest
And there's nothing you need to explain
You always were the first one to believe me
When I said to you girl I think it's gonna rain
But I could be wrong

Yeah, but all of these things, all these things
They're all truly nice but ain't nothing
Ain't nothing compared to the love
That's running through your little blue veins
Your blue veins"

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Albert King & John Lee Hooker - I'll Play The Blues For You - Live 1977


Albert King se faz presente nas quatro primeiras faixas com seus bends cheios de feeling e John Lee Hooker nas cinco seguintes com seu ritmo de tempo curto e velocidade. Quando comecei a conhecer blues ouvia muito a faixa "I'll Play the Blues for You" que eu havia baixado avulsa no eMule, só depois de um tempo fui baixar o disco completo, existe ainda um álbum(de 1972) do Albert King com o mesmo nome. Todas as faixas são muito boas, mas deixo destaque para "Born Under a Bad Sign", "I Worked Hard", "I'll Play the Blues for You", "Feel Good", "Boom Boom" e "One Bourbon, One Scotch, One Beer".

All blue!



1. Born Under A Bad Sign   (5:30)
2. The Very Thought Of You   (4:33)
3. I Worked Hard   (6:27)
4. I'll Play The Blues For You   (6:31)
5. Feel Good   (9:04)
6. Boom Boom   (4:14)
7. Serves Me Right-Retry   (4:21)
8. One Bourbon, One Scotch, One Beer   (4:09)
9. King Snake   (4:37)


Download 4shared
Áudio: Qualidade Alta - 320kbps - Soundboard

sábado, 9 de outubro de 2010

Ten Years After - Live at the Fillmore East 1970

Dedico ao Vitor e ao Piru.


Primeiramente, talvez você queira saber a origem do nome "Ten Years After". Alvin Lee e Leo Lyons fundaram a banda em 1962 que passou por algumas formações e mudanças de nomes, mas foi apenas em 1966 que a banda passou a ser chamada como "Ten Years After" e em homenagem a Elvis Presley, de quem Alvin Lee é fã. Dez anos antes, em 1956, Elvis encontrava-se no auge e também havia sido o ano de lançamento de seu filme "Love Me Tender". É bem interessante como TYA mistura estilos dos anos 50, 60 e 70.
Costumávamos ouvir muito "I'm Going Home"(a versão do Woodstock) e algumas músicas de estúdio, como "I'd Love to Change the World" e "Positive Vibrations". Por isso trago hoje um excelente show do Ten Years After. O setlist conta com alguns covers, como "Good Morning Little School Girl"(gravada por uma bela lista de artistas, primeiramente Sonny Boy Williamson I, gosto muito da versão do Yardbirds, já o TYA mudou o riff), "Roll Over Beethoven" dos Beatles e "Spoonful", escrita por Willie Dixon e gravada por Howlin' Wolf.
"I'm Going Home" é um dos maiores destaques, com versos de Elvis Presley e versos clássicos do blues, as excelentes linhas de baixo Leo Lyons e os solos fritos de Alvin Lee, confiram o vídeo da clássica versão do Woodstock:



"50000 Miles Beneath My Brain" traz quase a mesma melodia de "Sympathy for the Devil" dos Rolling Stones, mas com letras diferentes. Outro grande momento do show é "I Can't Keep From Cryng Sometimes", além de já ser por si só uma bela música, é um dos maiores e melhores medleys que já vi, misturando passagens de diversas outras músicas. Não vou falar de todas as faixas, garanto que são todas muito boas e muito fritas!

Nota: Infelizmente só percebi mais tarde que a faixa "I Can't Keep from Crying" está com um pequeno pedaço faltando, no final da música, quando executada no iTunes. Se você executar no Windows Media Player não terá esse problema, mesmo assim terá uma pequena falha. Desculpem por isso, como reparação farei outro post com outro show da banda em breve.

Download MediaFire Disco 1
Download MediaFire Disco 2
Áudio: High Quality - 320kbps Soundboard

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Simon & Garfunkel - Live From New York City, 1967

{ Who will love a little Sparrow? 
Who's traveled far and cries for rest? 
"Not I," said the Oak Tree, 
"I won't share my branches with 
no sparrow's nest, 
And my blanket of leaves won't warm 
her cold breast."

Who will love a little Sparrow 
And who will speak a kindly word? 
"Not I," said the Swan, 
"The entire idea is utterly absurd, 
I'd be laughed at and scorned if the 
other Swans heard."

Who will take pity in his heart, 
And who will feed a starving sparrow? 
"Not I," said the Golden Wheat, 
"I would if I could but I cannot I know, 
I need all my grain to prosper and grow."

Who will love a little Sparrow? 
Will no one write her eulogy? 
"I will," said the Earth, 
"For all I've created returns unto me, 
From dust were ye made and dust ye shall be. }



Quando se fala em Simon & Garfunkel a maioria das pessoas faz referência ao "The Concert at Central Park", de 1981. Mas um tão importante quanto e do qual gostei mais é esse de 1967 também em Nova Iorque. Sem banda(diferentemente do "at Central Park"), apenas um violão e a grandeza das vozes de Paul Simon e Art Garfunkel. Coisa fina! Uma curiosidade que fiquei sabendo pelo nosso amigo Bola é que Simon teve sua mão prensada na porta do carro e esse infeliz acidente fez com que seu estilo de tocar violão mudasse, diminuindo os dedilhados. Não sabemos precisar o ano em que acorreu tal acidente, mas com certeza foi depois desse show, talvez em 1969. Se alguém tiver informações a respeito, fico grato. Deixo minhas favoritas marcadas no setlist com "[ # ]".

Download MediaFire ou
Download Rapidshare
Áudio: Mp3 - 320kbps


01. He Was My Brother (3:21) [ # ]
02. Leaves That Are Green (2:57) [ # ]
03. Sparrow (3:06) [ # ]
04. Homeward Bound (2:39) [ # ]
05. You Don't Know Where Your Interest Lies (2:06) [ # ]
06. A Most Peculiar Man (2:59)
07. The 59th Street Bridge Song (Feelin' Groovy) (1:49) [ # ]
08. The Dangling Conversation (3:01) [ # ]
09. Richard Cory (3:23)
10. A Hazy Shade Of Winter (2:37) [ # ]
11. Benedictus (Traditional, arr. Paul Simon & Art Garfunkel) (2:45)
12. Blessed (3:45) [ # ]
13. A Poem on the Underground Wal" (4:45) [ # ]
14. Anji (Davy Graham) (2:28) [ # ]
15. I Am a Rock (2:57)
16. The Sound of Silence (3:25)
17. For Emily, Whenever I May Find Her (2:40)
18. A Church Is Burning (3:43)
19. Wednesday Morning, 3 A. M. (3:35)

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Stevie Ray Vaughan & Buddy Guy - It's Still Called the Blues (1989)

"Mary had a little lamb
It's fleece was white as snow, yeah
Everywhere the child went
The little lamb was sure to go, yeah

He followed her to school one day
And broke the teachers rule
What a time did they have
That day at school"


Em 1989, no dia 30 de Julho, Buddy Guy decide comemorar seu aniversário e convida Stevie Ray. Que entra na segunda faixa, Champagne and Reefer, quebrando tudo! As duas guitarras fazem um dueto extremamente frito. "Mary Had a Little Lamb" também é um ponto alto, talvez a melhor versão que eu tenha escutado, apesar de ter sido encerrada abruptamente por Buddy Guy para dar início a quarta música que ainda traz "Worry, Worry" no final. A qualidade do áudio está muito boa.
Stevie Ray Vaughan é um guitarrista de estilo único, muito rápido e rasgado. Faleceu dia 27 de Agosto de 1990 em um acidente de helicóptero que ia para um show com Buddy Guy e Robert Cray para substituir Eric Clapton. Impossível não pensar que poderia ter sido Clapton a morrer em seu lugar, mas nas duas possibilidades estaríamos orfãos. Os membros da banda de Clapton também faleceram. Há vinte anos, o céu chora.

Setlist: 
01. It's Called The Blues (3:16)
02. Champagne And Reefer (25:50)
03. Mary Had A Little Lamb (8:39)
04. Leave My Girl Alone (18:46)
Áudio: Mp3 - 320kbps



Stevie Ray Vaughan and Albert King - The Sky is Crying
Parte I: 
Parte II: 


terça-feira, 7 de setembro de 2010

Faces - Ooh La La 1973

"Poor young grandson there's nothing I can say
You'll have to learn, just like me
And that's the hardest way, ooh la la.

I wish that I knew what I know now,
when I was younger.
I wish that I knew what I know now,
when I was stronger."


A banda que me conquistou com seu rock misturado com folk e com certeza vai conquistar qualquer um que dedicar-se a ouvir. Rod Stewart com sua linda voz meio rouca e o baixista Ronnie Lane com sua voz empolgante, duas lendas, duas almas em uma banda. Ronnie Wood na guitarra fazendo sua parte sem estrelismo, Kenney Jones na bateria segurando tudo e Ian Mclagan no teclado dando um colorido. Destaque para "Silicone Grown", "Cindy Incidentally", "Flags And Banners". 
"Just Another Honky" e "Ooh La La" fecham o disco com chave de ouro, a primeira com uma linda melodia no teclado e Rod na primeira voz; e a segunda com uma belíssima letra na voz de Ron Lane e um refrão marcante, ainda traz arranjos muito bem trabalhados. E pra quem gosta de instrumental, "Fly In The Ointment".
Esse é o som do Faces, cheio de sentimento; nem muito calmo, nem muito agitado, para dias tranquilos e agradáveis ou para fazer a trilha de uma viagem de férias.
Pra quem gostou já vale lembrar do primeiro disco deles, First Steps que já foi postado pelo Caito.

01. Silicone Grown (Wood, Stewart) - 3:05
02. Cindy Incidentally (McLagan, Wood, Stewart) - 2:35
03. Flags And Banners (Lane, Stewart) - 1:59
04. My Fault (McLagan, Wood, Stewart) - 3:04
05. Borstal Boys (McLagan, Wood, Stewart) - 2:52
06. Fly In The Ointment (Jones, Lane, McLagan, Wood) - 3:49
07. If I'm On The Late Side (Lane, Stewart) - 2:35
08. Glad And Sorry (Lane) - 3:04
09. Just Another Honky (Lane) - 3:30
10. Ooh La La (Lane, Wood) - 3:28

Áudio: Gravação de estúdio, Mp3 - 320kbps


domingo, 29 de agosto de 2010

Jeff Beck - Truth - Deluxe Edition, Remaster & Bonus Tracks 2006

EXTRA! EXTRA! EXTRA!
JEFF BECK FARÁ SHOWS EM SÃO PAULO E RIO!


E por isso estou aqui especialmente para postar aquele que é um dos discos mais consagrados da história do rock, considerado um dos melhores trabalhos de Jeff Beck e ainda é a grande única expressão registrada do que foi o primeiro supergroup da história do rock. 
Aconteceu da seguinte forma, Beck e Page estavam descontentes com os estilo blues pop que estava sendo levado pelo Yardbirds. Beck, como diz Jeffrey, sempre quis roubar o baterista Keith Moon do The Who. Daí diz a lenda que estavam eles bebendo em um bar discutindo a possibilidade de fundar uma nova banda que contaria com Moon(The Who, baterista), Entwistle(The Who, baixista), ambos na época descontentes com o The Who que ainda não havia lançado o "Tommy", a lista segue com Jimmy Page, John Paul Jones e outros. 
Nesse dia Moon deu a idéia de chamar essa banda de Led Zeppelin, alegando que seria grande e pesado e voaria longe como um zeppelin!
No final eles chegaram a tocar junto e o material produzido foi inserido nesse disco, mas a banda não seguiu, Moon e Entwistle continuaram no The Who, Page seguiu para mais uma turnê utilizando o nome New Yardbirds para cumprir contrato e depois usou o nome sugerido por Moon.
Para não complicar muito essa grande mistura de músicos que é o Truth vou deixar essa imagem do encarte que sistematiza* tudo:
*Os números entre parenteses especificam a faixa em que o instrumento foi executado pelo respectivo artista.

Reparem que no setlist do encarte está escrito que a música "You Shook Me" deve ser ouvida chapado ou quando se está com raiva e que é provavelmente a música mais rude já gravada. Outra curiosidade é que depois o Led Zeppelin gravou uma versão mais longa, porém são ambas muito boas. Jeff Beck é sem dúvida um gênio e está entre os melhores guitarristas do mundo, se sua vida não tivesse tido tantos percalços seria mais conhecido hoje, mas não foi o caso. Não vou escrever mais, tirem suas próprias conclusões.
O show acontecerá em Novembro e será um dos melhores, senão o melhor, da minha humilde vida. 



Estou postando essa versão remasterizada do disco lançada em 2006 com bônus tracks e em 320kbps. O disco originalmente vinha apenas com as primeiras dez faixas e foi gravado em 1968.


sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Pete Townshend & Ronnie Lane - Rough Mix

"She said I'll see you in the morning, darling
I see you when the kids have gone to school
But well I know tomorrow is your birthday
I know you know that you're are an April Fool

We used to roam so freely. It's been so long
I took my dreams to bed now where they belong

She said there's dust and cobwebs on your north star
There no more fussing the campfires in your hair
I'll see the wheels there rusted in the backyard
I know we're not going anywhere

We used to roam so freely. It's been so long
I took my dreams to bed now where they belong."

Quando o rock marca um encontro com o folk, nasce "Rough Mix". Pete Townshend(guitarrista e compositor/fundador da banda The Who) em 1976/77 saiu da rotina de riffs sujos e cheios e solos rasgados para gravar junto a Ronnie Lane(fundador, compositor e baixista do Faces, por sinal considerado junto de Rod Stewart, como a alma da banda) e ainda um time de peso, Eric Clapton, John Entwistle(baixista/The Who), Charlie Watts(baterista/Rolling Stones) e mais uma pancada de músicos, abrangendo uma grande diversidade de instrumentos, o que confere uma multi-diversidade as faixas. Não se trata apenas de rock e folk, mas de mistura(mix) e gêneros até inomináveis, por assim dizer. 
Curiosamente, o mestre Entwistle não toca contra-baixo, mas "brass", uma espécie de trompete, que álias foi seu instrumento antes do baixo na época em que conheceu Townshend no colégio.

A música "Rough Mix" tem um pouco da pegada das músicas instrumentais do Faces, mas bem mais frenética e um tanto quanto mais bem elaborada, além do que temos nela duas guitarras(Clapton e Townshend) combinando os solos e Watts sentando a mão. 
Já outras contém belíssimas letras, como por exemplo "Annie", "Nowhere to Run", "April Fool" e "Till The Rivers All Run Dry". "Catmelody" é mais empolgante, poderia colocar como folk blues. April Fool talvez seja minha favorita, muito linda mesmo, só confirma minha admiração por Ronnie.
"My Baby Gives it Away", "Street in the City" trazem mais o estilo de Townshend, a primeira com uma letra bem engraçada, a segunda um pouco profunda. "Misunderstood" também tem a marca de Pete com seus vocais de versos curtos, mas acompanhado de uma bela gaita, fazem-se ainda uns versos bem rápidos de palavras "engarrafadas", o que dá bem uma idéia da ansiedade pré-uso de fumo/maconha/tabaco e do relaxamento que vem em seguida. 
"Heart to Hang Onto" é outra que gosto muito, aproveito para deixar esse vídeo de uma versão acústica dela, do show beneficiente do Who no Royal Albert Hall em 2000. 


Bom, é isso, espero que gostem, é um disco excelente. Ronnie Lane, assim como seu parceiro Rod Stewart, já faleceu, de uma esclerose que o consumiu por um tempo. Uma curiosidade é que foi ele quem organizou o "A.R.M.S Concert", cuja renda foi destinada a portadores de esclerose e que reuniu grandes músicos como Clapton, Jeff Beck, Page, Winwood, Watts e Wyman.

- Rolling Stone Magazine (4/1/99, p.102) - 4 Stars (out of 5) - "...With a spatial blend of acoustic guitars, mandolins and banjos, Townsend and Lane put a spiffy, village pub band spin on American roots rock..."

- Peaked at #45 on the Billboard Album chart.

Personnel includes: Pete Townshend, Ronnie Lane (acoustic & electric guitars, mandolin, bass, banjo, ukelele); Eric Clapton (acoustic & electric guitars, dobro); Graham Lyle (12-string acoustic guitar); Charlie Hart (violin); Peter Hope Evans (harmonica); Benny Gallagher (accordion); Mel Collins (saxophone); John Entwistle (brass, background vocals); Ian Stewart (piano); Rabbit (piano, Fender Rhodes electric piano, organ); Boz Burrell (bass); David Marquee (double bass); Charlie Watts, Henry Spinetti (drums); Julian Diggle (percussion); Billy Nicholls (background vocals). 

Download MediaFire
Download 4shared
Download Rapidshare
Áudio: 320kbps

Setlist:
01. My Baby Gives It Away (written by Pete Townshend) - 4:02
02. Nowhere To Run (written by Ronnie Lane) - 3:17
03. Rough Mix (written by Ronnie Lane, Pete Townshend) - 3:12
04. Annie (written by Eric Clapton, Kate Lambert, Ronnie Lane) - 2:56
05. Keep Me Turning (written by Pete Townshend) - 3:46
06. Catmelody (written by Kate Lambert, Ronnie Lane) - 3:12
07. Misunderstood (written by Pete Townshend) - 3:01
08. April Fool (written by Ronnie Lane) - 3:34
09. Street In The City (written by Pete Townshend) - 6:07
10. Heart To Hang Onto (written by Pete Townshend) - 4:29
11. Till The Rivers All Run Dry (written by Wayland Holyfield, Don Williams) - 3:54
Outtakes:
12. Only You - 4:29 
13. Good Question - 3:35 
14. Silly Little Man - 3:43



"Keep me turning, oh keep me on
Keep me burning, for your sun
Keep me turning
Don't you leave me till the very last
Keep me turning, I'm hanging on
Stop me yearning, I've had enough
Keep me turning
While I hand in my backstage pass"

terça-feira, 17 de agosto de 2010

The Everly Brothers - Manchester Apollo 1997


Para ilustrar meu recente namoro com o folk, que cada dia escuto mais e recomendo muito. É... eu também venho da roça eheheh... Descobri "The Everly Brothers" quando fui pesquisar quem havia composto "Wake Up, Little Susie", acreditava ser Paul Simon and Art Garfunkel. Mas eu estava enganado, a música é de autoria de Felice Bryant and Boutleaux Bryant e data de 1957, posteriormente gravada e adotada por Don(Isaac Donald Everly) e Phil(Phillip Everly). Enfim, "Wake Up, Little Susie" conta a história de um garoto que levou sua namorada Susie para um drive-in, os dois dormiram durante o filme, quando o garoto acordou já era quatro da manhã. O que ele, na década de cinquenta, iria dizer aos pais de Susie?
Destaques para "Green River", "Claudette", "Crying in the Rain",  "Bye Bye Love", "Till I Kissed You", "Walk Right Back", "Cathy's Clown", "Lucille" e, é claro, "Wake Up, Little Susie". Tenho certeza que esse som será do agrado de todos, espero que não haja preconceito por parte de quem está acostumado a ver rock e blues por aqui.
Infelizmente não encontrei artwork e curiosamente o show não consta no Wikipedia nem em nenhum outro site, apenas em blogs e torrents. Se alguem tiver informações a respeito e o artwork, agradeço muito.

Download MediaFire
Áudio: 320kbps
Manchester Apollo, Manchester, England, May 24th 1997 (?)

01. Green River (3:32)
02. Kentucky (2:01)
03. Bowling Green (2:35)
04. So Sad (To Watch Good Love Go Bad) (3:02)
05. Claudette (3:13)
06. Crying In The Rain (2:45)
07. When Will I Be Loved (2:52)
08. Ebony Eyes (5:05)
09. Bye Bye Love (2:03)
10. All I Have To Do Is Dream (4:46)
11. Long Time Gone (3:30)
12. Blues Stay Away From Me (5:02)
13. 'Til I Kissed You (2:09)
14. Walk Right Back (2:45)
15. Cathy's Clown (2:36)
16. Wake Up, Little Susie (2:56)
17. Lucille (4:54)
18. Let It Be Me (3:40)

Próximo post trarei um disco que mistura admiravelmente rock e folk, aguardem!